26 de setembro de 2016

Entrevistamos Juliana Steck do Canal Ju Helps




Juliana Steck iniciou sua carreira na aviação aos 19 anos, como Comissária da TAM. Logo após se tornou piloto na Azul e hoje tem seu canal no youtube, onde passa dicas e informações aos apaixonados por aviação. Confira nossa entrevista.



Primeiramente agradecemos ter aceitado se tornar parceira da Editora Espaço Aéreo, uma das principais empresas no ramo de produtos didáticos para aviação.





Espaço Aéreo:
Para iniciarmos, pode nos contar um pouco da sua história de como chegou na aviação? 

Juliana:

Essa escolha na verdade sempre foi única pra mim. Acho que começou quando eu era pequena, eu tinha uma prima que morava nos EUA e sempre que ela voltava para o Brasil eu acompanhava a minha tia no aeroporto, aquilo era um mundo mágico e muito distante pra mim. Logo que eu fiz 18 anos já me matriculei em uma escola de comissários e foi a melhor decisão que eu poderia ter tomado.
 
Espaço Aéreo:
A aviação talvez seja uma das áreas em que existam mais profissionais apaixonados pela magia de voar. Você se encontra nesse grupo? Qual sua reação ao estar próxima da aviação, dos aviões, do aeroporto e etc?

Juliana:

Eu sempre recebo mensagens de pessoas que acabaram seguindo outras profissões mas não conseguem esquecer a aviação, é muito engraçado o poder de despertar paixões que a aviação tem. Se você fizer parte disso jamais consegue esquecer.
 

Espaço Aéreo:
A aviação como algo tão diferente, se torna algo mágico para as pessoas ao nosso redor. Como foi a reação da sua família quando decidiu que queria se tornar comissária/piloto?

Juliana:

Na verdade quando eu decidi fazer o curso, era apenas um curso, não tinha nada certo ainda, e quando eu realmente consegui o meu emprego foi muito emocionante para a minha família porque nunca tivemos muitos recursos, então isso foi uma coisa muito boa pra minha vida. E quando eu decidi me tornar piloto, minha família ficou extremamente orgulhosa, foi ótimo!

Espaço Aéreo:
Como foi o seu primeiro voo como comissária? Em qual empresa?

Juliana:

Eu entrei na Tam com 19 anos e o primeiro voo me deixou tremendo, por diversos fatores, eu só tinha voado de avião 1 vez, e na época o comissário já entrava exercendo a função, hoje em dia eles fazem alguns voos como observadores, isso ajuda a acalmar.


Espaço Aéreo:
Quando e como decidiu que seria hora de deixar a profissão de comissária para se tornar piloto?

Juliana:

Eu decidi me tornar piloto quando eu voei com uma comandante, e isso me despertou uma admiração muito grande e assim surgiu a ideia.


Espaço Aéreo:
Com quantas horas conseguiu exercer a profissão de Piloto de Linha Aérea?

Juliana:

Eu entrei na Azul com 150 horas, felizmente eles contratam com o mínimo e foi uma experiência muito desafiadora.


Espaço Aéreo:
Dentre essas duas profissões, comissária e piloto, qual foi o momento mais difícil para você?

Juliana:

Acho que o momento mais difícil foi quando eu decidi pedir demissão da Tam para concluir meus cursos de piloto, não tinha nada certo se eu conseguiria ou quando eu conseguiria algo, então foi bem assustador.
 
Espaço Aéreo:
Sabemos que há poucos anos víamos mulheres atuando somente na profissão de comissária, e acho fantástica a maneira como a aviação foi evoluindo e levando mulheres para o comando das aeronaves, principalmente na Azul. Qual sua opinião sobre isso?

Juliana:

A Azul incentiva bastante isso, tem muitas mulheres no comando lá. E já provamos tudo o que tínhamos que provar e acho que já nem existe mais esse preconceito dentro da cabine.



Espaço Aéreo:
Acha que ainda existe machismo na aviação, de forma que deixe as mulheres inseguras ao pensar em se tornar piloto?

Juliana:

Em todo lugar do mundo, em todas as profissões, encontramos pessoas de tudo quanto é tipo, exigir que todos tenham bom senso é demais, mas acho que isso está cada vez mais difícil de encontrar.

Espaço Aéreo:
Qual a maior dificuldade encontrada nas seleções para poder ser contratada pela empresa?

Juliana:
Hoje em dia, pelo que eu percebo da galera que está chegando agora é o inglês, infelizmente aqui no Brasil não temos essa cultura de ensinar as crianças desde cedo a aprender inglês, mas eu digo aprender mesmo, não vale saber contar de 1 a 10 ou saber os nomes das cores, e hoje em dia se você quiser trabalhar na aviação, tem que ter o inglês fluente.
 


Espaço Aéreo:
Sente vontade de voltar a voar? Pretende voltar a exercer a profissão de piloto ou comissária?

Juliana:

Eu estou começando a sentir falta sim, vamos ver o que o futuro me reserva.

Espaço Aéreo:
Como você lida com a situação de não estar voando no momento?

Juliana:

Eu parei de voar por uma decisão minha, graças a Deus nunca fui demitida, precisava desse tempinho mesmo.


Espaço Aéreo:
Quando decidiu levar todo seu conhecimento para o youtube?

Juliana:

Na verdade acho que foi uma forma que achei de manter contato com a aviação, como eu disse, quem é apaixonado não esquece.

Espaço Aéreo:
O que a Azul tem de diferente das outras, na sua visão?

Juliana:

Eu acho que o pessoal da Azul é o que há de melhor, a chefia é muito acessível e muito humana. Fora que a Azul dá a oportunidade que outras não dão, de entrar com 150 horas.
 

Espaço Aéreo:
Assim como pescador, todo aviador tem uma história para contar. Você tem uma, que ficou muito marcada para você e que até hoje se recorda?

Juliana:

(risos) Adorei a comparação... Eu acho que foi uma vez que estávamos chegando no aeroporto de Foz e tinha uma excursão de uma escola no aeroporto, aquelas crianças rodearam a gente, tiramos 87798977 fotos, pediam beijos, fomos tratados como celebridades e foi muito especial porque tenho certeza que naquele momento inspiramos muitas dela.


Espaço Aéreo:
Você se encontra realizada com a posição na vida em que chegou, ou quer ir mais longe?

Juliana:

Gente do céu, eu nunca acho que já está bom, estou sempre pensando no próximo passo, nossas possibilidades são infinitas e por isso devemos nos desafiar cada dia mais.

Espaço Aéreo:
Para terminarmos, qual mensagem deixa aos iniciantes que estão entrando nesse fantástico mundo da aviação?

Juliana:

No Brasil nó temos uma oferta muito grande de profissionais para essa área, por isso acaba sendo muito competitivo e algumas pessoas desistem no meio do caminho. Sabe, mesmo sendo disputado, alguém vai conseguir aquela vaga, não deixe a sua vaga para outra pessoa, seja persistente porque a maioria não é, seja decidido e não pare enquanto não conseguir, essa é a diferença dos que chegam lá e dos que ficam frustrados.

Conheça mais sobre a Juliana Steck em seu canal no Youtube.



http://www.eaereo.com.br/
https://www.youtube.com/channel/UC-2n-llM25TkLi7KZhGHsmA 
 

Nenhum comentário: