22 de outubro de 2016

ANAC - Nova politica de segurança operacional e Checklist para pilotos

Checklist pessoal de mínimos operacionais é uma importante ferramenta de gerenciamento da segurança operacional. Ele deve ser utilizado pelo piloto durante a fase de planejamento, sendo que cada item significa um fator de risco diferente associado a um voo: piloto, aeronave, meio ambiente/aeródromos e pressões externas. Como parte do processo de gestão de risco, estes fatores devem ser identificados e você deve decidir, baseado na sua própria avaliação, sobre os seus mínimos pessoais para cada voo e cumpri-los.
Cada pessoa terá mínimos diferentes com base em sua própria experiência de voo, hábitos de saúde e tolerância para o stress. Os seus mínimos tendem a mudar ao longo do tempo, a medida que você opera com frequência a mesma aeronave ou no mesmo ambiente.

Versão para impressão
Caso deseje imprimir e levar o Checklist a bordo de sua aeronave, baixe o arquivo e no momento de imprimir, marque as opções “imprimir em ambos os lados do papel” e também “no sentido da borda menor”.
Versão para celular
Baixe o arquivo em seu aparelho.

Conheça alguns mínimos que constam do Checklist
Mínimos operacionais - Piloto:
Lembre-se que antes de decolar, as prerrogativas que são conferidas ao detentor de um certificado de habilitação técnica (CHT) somente poderão ser exercidas quando forem atendidos três requisitos:1) estar com certificado médico aeronáutico (CMA) válido e adequado à licença/certificado de que é titular; 2) estar com as habilitações correspondentes válidas e 3) possuir experiência recente correspondente à licença ou ao certificado.
Para relembrá-lo, no Checklist consta a experiência recente prevista no RBAC n° 61.
Outra dica importante é fazer a simulação do seu voo no sistema DCERTA.
Sua aeronave pode estar suspensa e você poderá ser surpreendido após uma ocorrência.
Mínimos Operacionais - Aeronave:
Você conhece as limitações da aeronave e está familiarizado com todo o equipamento a bordo, principalmente com os novos aviônicos? E a aeronavegabilidade da aeronave? Será que ela foi submetida à todas inspeções recentemente? A aeronave tem o combustível necessário? Você está satisfeito com o peso, balanceamento e desempenho para o voo? As cartas e os bancos de dados da aeronave estão atualizados?
Para auxiliá-lo, no Checklist estão listados os documentos de porte obrigatório e que devem estar a bordo da aeronave.
Lembre-se que no sistema DCERTA é possível verificar a situação da aeronavegabilidade da sua aeronave.
Mínimos Operacionais - Meio Ambiente /Aeródromos:
Como está o tempo? Você está confortável e possui experiência suficiente para voar nas condições de previsão do tempo? Você já pensou em todas as suas opções? Você está atualizado na operação IFR? Você está satisfeito e confortável com as condições de vento, visibilidade, teto, nebulosidade e previsões de forma geral? Você está confortável em realizar o voo em espaço aéreo congestionado? Você está familiarizado com o terreno?
No Checklist constam os itens que devem ser verificados nos aeródromos de decolagem, destino, alternativa e em rota.
Mínimos Pessoais - Pressões externas:
Você está estressado ou ansioso? É este voo que está fazendo você se sentir estressado ou ansioso? Existe pressão para chegar ao seu destino de forma rápida? Você tem um plano B? Você está lidando com os passageiros difíceis ou com uma cultura de segurança inexistente? Você está sendo honesto consigo mesmo e com os outros sobre suas habilidades de piloto e limitações? Conhece algumas situações que podem levar o piloto operando manual (VFR) entrar involuntariamente em condições de voo por instrumentos (IFR)?
No Checklist consta orientações para se evitar uma entrada inadvertida em voo IFR (voo por instrumentos) assim como orientações de como lidar com pressões externas.
Fonte: ANAC

Um comentário:

AntonCarlov disse...

Importante ferramenta operacional e curricular, já que leva o responsável a rever hábitos e/ou conceitos que consequente e naturalmente, levarão a atitudes cada vez mais seguras.
Exercitar o conhecimento como um todo, e fora da rotina, nos torna mais críticos e exigentes à qualidade.