28 de maio de 2019

ANAC INTERDITA AEROCLUBE DE ALAGOAS: PREMATURO OU NECESSÁRIO?





FOTO: FACEBOOK AEROCLUBE DE ALAGOAS

            Aeroclube de Alagoas tem operações suspensas pela ANAC

As causas do acidente aéreo que vitimou o cantor Gabriel Diniz, o piloto Abraão Farias e o copiloto Linaldo Xavier ainda tem um longo caminho pela frente para se chegar a uma conclusão final.

O SERIPA VI (Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) será o órgão responsável para investigar as causas do acidente.

A ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) como órgão regulador e fiscalizador da atividade aeronáutica levantou inicialmente toda a documentação da aeronave e dos pilotos.

Com relação a documentação da aeronave, A ANAC informou que nenhuma irregularidade foi encontrada no momento, ou seja, o avião estava em situação regular, o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) estava válido até fevereiro de 2023 e a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) estava em dia com validade até março de 2020.

Porém paira uma suspeita no ar, é que a aeronave o monomotor de matrícula PT-KLO, deveria ser usado apenas para instrução, mas, ao que parece, estava fazendo serviços de táxi aéreo, o que pela legislação atual é proibido.

A aeronave pertencia ao Aeroclube de Alagoas e os  pilotos eram diretores desse Aeroclube que negou a prestação dos serviços de Táxi Aéreo. O Aeroclube informou que o piloto era amigo do cantor e estava dando uma carona para o músico.

Mas o pai do piloto, Sr. Erivaldo Farias, em entrevista à TV Gazeta hoje (28/5/19), afirmou que seu filho contratou o serviço de transporte e pagaria por tal serviço no fim da viagem.

Enquanto a investigação avança no sentido de apuração das causas do acidente, a Anac decidiu suspender as operações e interditou nove aeronaves do Aeroclube de Alagoas.

Em paralelo com a investigação aeronáutica, o Mistério público irá instaurar o Inquérito policial cujo objetivo ´de apontar responsabilidades civil pelas mortes.

Conversei com pilotos e especialistas da área para saber a opinião deles a respeito da interdição do Aeroclube de Alagoas. As opiniões são as mais variadas. Mas há um consenso de que a atitude da ANAC foi um pouco prematura e muito abrangente, pois, ainda não é possível afirmar com provas documentais ou testemunhais que efetivamente houve a contratação de um serviço de táxi aéreo.

Por outro lado, a interdição de nove aeronave provoca a paralisação de toda a instrução dos alunos que estão em processo de formação, por um suporto erro cometido com dois de seus diretores. Talvez melhor seria exigir do Aeroclube de Alagoas uma nova eleição do corpo diretivo.

O que você pensa a esse respeito?
Você também acredita que a atitude da ANAC.foi excessiva?
Vamos debater essas questões?





Nenhum comentário: